Empresas Por que as startups estão digitalizando seus cap tables?

Por que as startups estão digitalizando seus cap tables?

O cap table é um dos elementos mais importantes de uma startup na ótica do empreendedor. Através dele, o fundador do negócio controla as participações da empresa – tanto as próprias quanto as dos outros sócios e investidores da organização. Inicialmente, pode parecer uma equação simples, mas engana-se quem subestima a potencial complexidade de uma tabela de capitalização – que com frequência faz empreendedores perderem o controle da sua própria empresa. 

Diante desse cenário, um movimento tem ganhado força no ecossistema empreendedor: a digitalização da gestão dos cap tables. Cada vez mais fundadores de startups têm optado por trocar suas planilhas estáticas de Excel pela digitalização de seus quadros societários, fazendo uso de plataformas inteligentes de gerenciamento de equity – como é o caso do Basement.  

Neste artigo, explicaremos em mais detalhes por que as startups estão buscando essa nova forma de gerenciar e organizar suas vidas societárias.



Informações validadas e controle sobre os diferentes ativos e transações

No caso de startups recém fundadas, com um cap table dividido entre poucos sócios – todos eles com participação direta na empresa – o bom e velho Excel pode parecer capaz de suprir a demanda de organizar as informações referentes à participação de cada um, mas com o tempo se torna uma prática cada vez mais perigosa e trabalhosa à medida que a startup se desenvolve. Isso ocorre principalmente pela necessidade de acompanhamento e atualização do status dos diferentes ativos e transações da startup, como os períodos de cliff e vesting das stock options dos colaboradores, datas de vencimento dos mútuos conversíveis, transferências de quotas e ações etc.

 

“É muito ruim o empreendedor descobrir no futuro que fez contas erradas sobre o cap table, isso pode machucar e talvez ser até fatal para a empresa. O Basement me ajudou a garantir que a minha conta do cap table estava certa – e eu tive que fazer ajustes na forma que calculávamos no Excel” – Alexandre, CFO da Onyo

 

Gráfico que ilustra por que as startups estão digitalizando seus cap tables

 

No estágio inicial da startup, qualquer erro na gestão do cap table pode virar uma bola de neve, que poderá resultar em problemas graves em um momento futuro da jornada. Ao terceirizar essa demanda e digitalizar sua vida societária em uma plataforma com o Basement, o empreendedor faz o acompanhamento desses diferentes ativos e tem a certeza de que as informações de seu cap table estão corretas e validadas – podendo aproveitar seu tempo e energia em tarefas que irão gerar um maior impacto no futuro do negócio.

 

“Controlar as coisas no Excel pode servir no começo, quando a coisa é realmente muito pequena, mas você acaba tendo uma visão muito turva. Se você não conta com uma plataforma como o Basement, você terá que ser extremamente cuidadoso e disciplinado para deixar tudo atualizado, e infelizmente essa não é a melhor forma de investir seu tempo gerando valor para a empresa.” – Otto, CEO da Mais Mu

 

Um cap table sempre pronto para receber novos investidores 

Muitos dos empreendedores que buscam plataformas como o Basement têm como objetivo evitar problemas na hora de captar investimentos.

Um cap table desorganizado e com informações incorretas no registro dos ativos e transações pode interferir de diferentes maneiras nos futuros eventos societários de uma startup. Aqui vão alguns exemplos:

  • Nova rodada baseada em premissas falsas – podendo gerar uma diluição maior do que a prevista;
  • Atraso na injeção do capital devido à necessidade de ajustes no quadro societário – o que pode ser fatal dependendo da situação de caixa da startup; 
  • Perda de interesse por parte do investidor – afinal, seria como comprar uma casa sabendo que ela possui sérios problemas em sua fundação.  

Ao digitalizar a vida societária de sua startup em uma plataforma de gerenciamento de equity, o empreendedor assume o controle das suas participações e tem a certeza de que seu cap table estará sempre pronto para receber novos investimentos.

 

Menos recursos gastos com serviços jurídicos e administrativos desnecessários

A escassez de tempo e caixa é um cenário comum para a maioria das startups. Isso faz com que o empreendedor precise ponderar ainda mais como irá alocar seus recursos – incluindo aproveitar as horas de seus assessores com tarefas verdadeiramente estratégicas e personalizadas.

Plataformas de gestão de cap table como o Basement ajudam empreendedores, advogados e outros profissionais simplificando tarefas administrativas ou repetitivas – deixando para a tecnologia aquilo que pode ser padronizado ou automatizado. Assim, é possível otimizar recursos como tempo, energia e dinheiro no que é mais importante: a geração de valor para o negócio. 

 

Uma nova experiência de acompanhamento para os acionistas

Outro motivo que tem levado cada vez mais startups a buscarem plataformas como o Basement é o desejo de aprimorar a experiência de seus atuais shareholders – sejam eles investidores ou colaboradores com stock options em vigência. Com a digitalização do cap table, os acionistas possuem mais transparência no acompanhamento de suas participações, levando em conta as peculiaridades de cada classe de ativo – a exemplo do período de vesting das stock options ou da data de vencimento dos mútuos conversíveis.

 

Visão do colaborador no acompanhamento do vesting de suas stock options na plataforma do Basement

 

Além disso, por meio de plataformas de gerenciamento de equity, os acionistas conseguem conferir os lastros de suas participações e acessar informações relevantes para fins tributários e societários – evitando dores de cabeça na hora de fazer a declaração do IR.

Aqui no Basement, visando proporcionar uma experiência aos stakeholders ainda mais profissional, oferecemos também uma ferramenta própria para relacionamento com investidores, por onde eles podem acessar o histórico de relatórios de desempenho, fatos relevantes, documentos e contratos – além de indicadores sobre a valorização da participação.

 

“Você entende de fato como funciona quando você começa a usar a ferramenta e vê que tem todos os sócios ali sob o seu controle – costumo dizer que é como um RI 2.0 de uma empresa de capital aberto, porque ao mesmo tempo que você consegue se comunicar com todo mundo sobre o que está acontecendo, é também uma B3/corretora, afinal é onde a pessoa acompanha a participação dela.” – Otto, CEO da Mais Mu

 

Visão do investidor acompanhando seus investimentos através da plataforma do Basement


No Basement, já são centenas de startups digitalizando suas vidas societárias através de uma plataforma segura e sempre atualizada. 

Para assumir o controle dos diferentes ativos do seu cap table e proporcionar uma nova experiência de acompanhamento para seus acionistas, é só se cadastrar abaixo que entraremos em contato com você:


Comentários

Nenhuma resposta para esse artigo.

Deixe seu comentário

powered by Logo